terça-feira, 15 de julho de 2014

A Mensagem da Igreja é Cristocêntrica - Atos 2: 14 – 36

INTRODUÇÃO:

Deus transforma aquilo que seria uma simples festa anual em um momento de revestimento espiritual para a Sua igreja e a leva para fora para testemunhar de Jesus.

É nesse contexto que encontramos a palavra de Pedro. No seu sermão, ele expõe o Senhor Jesus de forma bíblica e transformadora.
Deixa bem claro, que a igreja revestida de autoridade existe para proclamar o Cordeiro de Deus.

EXPOSIÇÃO:

Pedro explica o que aconteceu (vs. 1- 13), o fenômeno sobrenatural é o cumprimento da profecia de Joel (vs. 16). Ele substitui o “depois” de Joel por “nos últimos dias” a fim de enfatizar que, com a vinda do Espírito Santo, chegaram os últimos dias.

Os autores de Novo Testamento são unânimes na convicção de que Jesus inaugurou os últimos dias ou a era messiânica, e que a prova final disso foi o derramamento do Espírito Santo.

Então, na compreensão de Pedro o cumprimento da profecia de Joel é total. Toda a era messiânica, que se estende entre as duas vindas de Cristo, é a era do Espírito, na qual o seu ministério é abundante.

Pedro salienta a universalidade na dádiva do Espírito: “toda carne” – não significa todas as pessoas, à parte da prontidão em receber essa dádiva, mas todas as pessoas a parte de sua condição ou status (vs. 17, 18).
“E profetizarão” – segundo Lutero, “profecias, visões e sonhos são todos uma coisa só”. Uma dádiva universal (o Espírito) levará a um ministério universal (profecia).

Em sua essência, profecia é Deus falando e tornando-se conhecido através de sua Palavra. A expectativa do A.T era que nos dias da Nova Aliança, o conhecimento de Deus fosse universal e isso se cumpriu através de Cristo.
Nesse sentido, no povo de Deus, agora todos são profetas, assim como todos são sacerdotes e reis.

Pedro continua a citação de Joel (vs. 19, 20), é possível entender essas profecias como fenômenos da natureza que começaram já na sexta-feira santa: “Já era quase meio dia, e trevas cobriram toda a terra até às três horas da tarde; o sol deixara de brilhar. E o véu do santuário rasgou-se ao meio” (Lucas 23:44-45).

Enquanto isso, entre o dia de Pentecostes e o dia do Senhor, estende-se um longo dia de oportunidade, durante o qual o evangelho da salvação será pregado em todo mundo (vs. 21).

A PREGAÇÃO DE PEDRO É SOBRE CRISTO

1.      Jesus, Homem Aprovado Por Deus (vs. 22).

“Milagres, prodígios e sinais” - É incomum a conciliação dessas três expressões a respeito de um só homem. Milagres – dynameis: Jesus é a manifestação do poder de Deus. Prodígios – terata: Jesus é o assustador fenômeno de Deus. Sinais – semeia: em Jesus todas as profecias encontram resposta. O próprio Deus confirma que Jesus é o Cristo.

2.      A Responsabilidade do Homem e a Soberania de Deus na Morte de Jesus (vs. 23).

Assim, a morte de Jesus, é atribuído simultaneamente ao propósito de Deus e a iniquidade do homem. O propósito da salvação de Deus estava sendo cumprido.

3.      Jesus Ressuscitou Para Nunca Mais Morrer (vs. 24 – 32).

Foi Deus quem ressuscitou a Jesus, e Ele o fez “rompendo os grilhões da morte”. Os grilhões representam o intenso sofrimento da morte. Jesus levantou-se naquele sepulcro para nunca mais morrer.

Pedro confirma a verdade da ressurreição de Jesus, apelando para o Salmo 16: 8 – 11.

Nesse ponto, nossa vida e vitória se juntam a vida de Jesus. A segurança que temos, a esperança de vida eterna tudo se baseia na fé e esperança de Jesus nunca mais morrer

4.      A Exaltação de Jesus Cristo (vs. 33 – 36).

Agora, da ressurreição de Jesus, Pedro fala da sua exaltação a destra de Deus. Tendo recebido o Espírito prometido pelo Pai, Jesus derramou o seu Espírito dessa posição de suprema honra e absoluto poder.

Pedro aplica o salmo 110 a ascensão de Cristo (vs. 34), Davi, não subiu aos céus, também não foi poupado do deterioramento. Além disso, ele chamou de “meu Senhor” a pessoa sentada a destra de Deus.

A conclusão de Pedro é que todo o Israel deveria agora ter a certeza de que este Jesus, a quem tinham rejeitado e crucificado, Deus havia feito Senhor e Cristo.


APLICAÇÃO:

1.      Jesus Cristo é o Messias Salvador.
2.      Jesus Cristo Ressuscitou Para Nos Dar Vida Eterna.
3.      Jesus Cristo é o Tema Central da Nossa Mensagem.

CONCLUSÃO:

Devemos usar as oportunidades da nossa vida, à semelhança de Pedro, para testemunhar, seja em palavras ou ações, do nome acima de todo nome, Jesus Cristo nosso Senhor. É através de Jesus que o pecador é salvo!




Nenhum comentário:

Postar um comentário